O que você deve analisar antes de contratar um consórcio?

Contratar consórcio é uma boa alternativa para comprar um produto de alto valor ou um serviço. Afinal, a modalidade não tem taxa de juros e não exige nenhuma quantia de entrada.

Embora seja bastante atrativa, alguns fatores devem ser observados antes da assinatura dos documentos contratuais. Isso porque cada pessoa tem necessidades específicas e um determinado produto pode não se encaixar em seu perfil.

Portanto, veja a seguir cinco dicas que separamos para você analisar antes de fechar um consórcio.

Por que é importante analisar os produtos antes de contratar um consórcio?

Com inúmeros benefícios, essa modalidade tem atraído cada vez mais participantes que desejam realizar um sonho, seja ele comprar um carro ou fazer uma viagem. Em 2020, o mercado registrou crescimento de 1,26 milhão de novas cotas, de acordo com a Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC).

Da mesma forma que a procura cresce a oferta também. Hoje o Banco Central (BC) regulamenta mais de 140 administradoras, sem contar os bancos e cooperativas de crédito.

Nesse sentido, é fundamental analisar a reputação da instituição financeira antes de contratar consórcio. Cada empresa tem regras específicas sobre taxas, tipos de lances, uso do crédito, entre outros.

Quais as principais características de um bom produto de consórcio?

Independente do tipo, o consórcio é uma modalidade altamente atrativa. Primeiro porque não tem juros como acontece com outros produtos financeiros. Ou seja, a pessoa não paga nada por parcelar a compra integralmente.

Em seguida, a carta de crédito é flexível e pode ser reajustada anualmente. Isso é essencial para que ela não perca seu poder de compra.

Ausência de juros e taxas abusivas

Essa modalidade permite o parcelamento total do crédito sem cobrar juros ou quantia de entrada. Ou seja, o participante pode comprar uma casa, um carro e até mesmo um trator mesmo quando não tem nenhuma reserva econômica para isso.

O consórcio também tem poucas taxas, sendo que as principais são a de administração, fundo de reserva e seguro. Essas são regidas pela LEI Nº 11.795 e pelo Banco Central.

Ainda assim, na hora de contratar consórcio é importante analisar todo o contrato e verificar se a empresa não cobra outros tributos. 

Flexibilidade de uso do crédito

Diferente do que acontece em outros produtos financeiros, o cotista tem a possibilidade de usar a carta de crédito de diversas formas.

Assim, se uma pessoa decide comprar um carro mais barato do que o previsto no contrato, ela pode usar o saldo para pagar o IPVA e Seguro, por exemplo.

Essa flexibilidade de uso vai além do consórcio veicular. O participante pode optar por um bem ou serviço de um valor diferente do contratado em quase todos os tipos. Contudo, caso a casa ou a máquina agrícola seja mais cara, ele deverá pagar a diferença.

Além disso, o cotista tem a opção de resgatar o dinheiro. Mas para isso, ele precisa estar com suas obrigações financeiras quitadas e ser o último a ser contemplado.

Atualização do valor da Carta

A variação da inflação impacta diferentes bens e serviços e no consórcio não é diferente.

Portanto, para impedir que o consorciado perca seu poder de compra ao longo da duração do seu grupo, muitas administradoras estabelecem uma taxa de reajuste, calculada em cima de algum índice.

Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) são os mais usados no consórcio. Mas no imobiliário, as administradoras podem optar ainda pelo Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) e o Custo Unitário Básico (CUB). 

Ainda assim, o contrato deve estabelecer todo os critérios de reajuste.

5 dicas para verificar antes de contratar um consórcio em Brasília

A seguir, separamos cinco pontos para você observar antes de adquirir essa modalidade.

Analisar o contrato

Embora as pessoas tenham o costume de ignorar documentos contratuais, ler o contrato atentamente é fundamental em um consórcio. É nele que estão descritas todas as regras e condições de contemplação, bem como as garantias do consorciado.

Portanto, mesmo que ele seja grande ou cheio de cláusulas, dedique um tempo para lê-lo com atenção. Caso fique com dúvidas, entre em contato com a instituição e pergunte.

Adquirir consórcio que não atende o seu perfil pode gerar surpresas desagradáveis. Como a modalidade geralmente dura muitos anos, as pessoas só tomam conhecimento de determinadas regras muito tempo depois.

Observar as taxas antes de contratar consórcio

Apesar de ser livre de juros, a modalidade geralmente tem taxa administrativa, de reajuste e de fundo de reserva. Contudo, a empresa ainda pode exigir a contratação de seguro e cobrar por outros serviços.

Desse modo, antes de contratar um consórcio, é fundamental saber quais cobranças estão previstas no produto e como elas são calculadas.

Entender isso ajuda a planejar as finanças e não ter problemas posteriores.

Busque referências sobre a administradora de consórcios no DF

Outro fator bastante importante para não ter dor de cabeça é pesquisar sobre a reputação da instituição. Empresas que não oferecem suporte ou não prestam um bom atendimento ao cliente devem ser excluídas da sua lista de opções.

Além de buscar saber sobre a experiência de outros clientes, analise sua pontuação em sites como o Reclame Aqui. Nele você pode ver os problemas registrados por outras pessoas e saber como eles foram solucionados pela administradora.

Conheça todos os planos ofertados

Uma empresa que já atua há muito tempo no mercado consegue oferecer uma quantidade maior de planos. Ou seja, as chances dela ter uma opção que atenda às suas necessidades são bem maiores.

Por isso, peça diferentes propostas e analise qual é a que mais se encaixa em seu perfil ao adquirir um consórcio. Se sua prioridade é comprar um carro em até três anos, veja se existe um plano de curto ou médio prazo, por exemplo.

Busque saber se existe um fundo de reserva

Por fim, veja no contrato se a administradora cobra um percentual para assegurar a contemplação de todos os cotistas mesmo em caso de inadimplência. 

Embora o consórcio tenha obrigações, pode ser que uma pessoa não consiga pagar sua parcela em um determinado mês ou durante um longo período. 

Dessa forma, é essencial que a instituição cobre taxa de fundo de reserva. Com o valor, ela consegue continuar repassando os créditos aos participantes enquanto resolve esse problema. 

Vale a pena contratar um consórcio atualmente? 

Com certeza. Mesmo que seja importante analisar alguns fatores, essa ainda é a modalidade mais atrativa do mercado para adquirir bens ou serviços a médio e longo prazo.

O consórcio permite que qualquer pessoa compre um carro novo, uma casa ou ainda dê uma festa de casamento mesmo que não tenha se preparado financeiramente para isso. Afinal, o produto pode ser parcelado integralmente.

Agora, se você deseja contratar consórcio em Brasília para comprar um carro novo ou ainda realizar o sonho da casa própria, não deixe de falar com a central de atendimento do Grupo Capital.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *