Intercâmbio com consórcio – O que é e como funciona na prática?

Pagar um intercâmbio com consórcio é uma alternativa para quem quer estudar fora, mas não tem condições. Os cursos fora do país geralmente são caros, mas com um bom planejamento isso tem se tornado possível.

Em 2018, o mercado brasileiro de educação internacional cresceu 20%. Nesse período, cerca de 365 mil pessoas viajaram para o exterior em busca de cursos de aperfeiçoamento, de acordo com a Associação Brasileira de Agências de Intercâmbio (Belta). 

Agora, se você também tem vontade de fazer um intercâmbio, continue lendo este artigo do Grupo Capital e saiba como fazer isso por meio de um consórcio.

 

Intercâmbio com consórcio: Como ele funciona?

Com alta nos últimos anos, essa modalidade de serviço funciona como as demais. Ou seja, a pessoa interessada em fazer um intercâmbio busca planos que atendam suas necessidades.

Após a contemplação, o cotista leva a sua carta de crédito até a agência de sua preferência e quita a viagem. O consorciado consegue negociar descontos, pois o valor é pago à vista.

Caso o saldo da carta seja maior, o valor restante pode ser usado para quitar as parcelas do consórcio. Da mesma forma, o cotista pode usar recursos próprios para pagar a viagem integralmente.

O crédito nesse tipo de consórcio vai de R$15 mil a R$30 mil. Já a quantidade de parcelas, podem ser de 20 a 40.

 

Por que escolher a alternativa de intercâmbio com consórcio?

Estudar em um outro país é uma experiência transformadora, mas que pode custar caro, principalmente com o dólar acima dos R$5. Além dos custos com o curso, existem ainda os gastos com alimentação, hospedagem, documentos, entre outros. 

Nesse sentido, o consórcio acaba sendo uma ótima alternativa para a realização do intercâmbio. Através dele, qualquer pessoa tem acesso a quantia necessária para realizar uma viagem desse tipo, mas sem precisar pagar nenhuma taxa de juros.

Além disso, ele facilita o planejamento e a economia de valores, pois o cotista paga suas mensalidades mensalmente até o encerramento do grupo.

 

Como fazer para contratar o intercâmbio com consórcio?

Para aderir à essa modalidade é fundamental:

  • Pesquisar destinos e valores;
  • Simular o valor das parcelas;
  • Escolher a empresa e contratar um plano.

Pesquise destinos e valores

Antes de contratar o intercâmbio com consórcio, é importante ter em mente o tipo de viagem que você deseja fazer e para qual lugar. Essas informações são essenciais para ter em mente os custos do serviço e, assim, o valor de crédito que é necessário.

Geralmente, um curso de inglês de 4 semanas em San Francisco (EUA) custa em média R$7.000,00, sem contar os custos com acomodação, alimentação, passagem aérea, passaporte, visto de estudante e outras despesas.

Já para uma experiência semelhante em Malta, na Europa, você vai gastar cerca de R$2.700,00

Portanto, antes de procurar uma administradora de consórcios, tenha em mente o valor que será preciso para viver esta experiência.

Simule o valor das parcelas

Depois de chegar a uma estimativa de custos, é hora de procurar planos que atendam seus objetivos. Se você precisa de R$30 mil, é necessário entrar em um grupo desse valor.

Em seguida, use um simulador de consórcio para saber quanto vai ficar sua parcela, já incluso as taxas, como de administração e fundo de reserva.

Escolher a empresa e contratar o plano

Com lugar e objetivos definidos, bem como os custos em mente, o próximo passo é escolher uma administradora de consórcio.

Para isso, busque referências sobre a empresa na internet e no Banco Central (BC). Pergunte sobre as taxas cobradas, inclusive de reajuste, veja se ela é transparente e presta um bom atendimento.

Após encontrar a administradora para fazer um intercâmbio com consórcio, o consorciado é inserido em um grupo com pessoas que têm o mesmo objetivo.

 

Como é a contemplação no intercâmbio com consórcio

Na modalidade de serviços, a forma de contemplação é semelhante à de bens. Ou seja, o cotista pode pegar sua carta de crédito durante sorteios ou antecipar as parcelas por meio de lances. 

Sorteios

Todo consorciado que paga suas parcelas em dia tem o direito de participar dos sorteios de contemplação. Eles são realizados mensalmente, mas a dinâmica fica a critério da administradora e deve ser esclarecida no contrato.

Lances

Quem não pode ou não quer esperar contar com a sorte, pode ofertar lances e assim antecipar seus créditos. 

Como em um leilão, aquele que oferece o maior valor tem maiores chances de ser contemplado. Dependendo das regras do grupo e da empresa, o lance poderá ser fixo ou livre.

Nesse sentido, a pessoa contemplada já poderá usar seu crédito para fazer seu intercâmbio com consórcio.

Do mesmo modo que ocorre no sorteio, o lance só pode ser feito por quem não está inadimplente.

 

Dicas para escolher o seu intercâmbio com consórcio

Esse tipo de viagem necessita de um planejamento bem maior, pois envolve não só valores altos, mas também solicitação de documentos. Veja a seguir alguns pontos importantes na hora de fazer um intercâmbio com consórcio.

Objetivos da viagem

Primeiramente, é essencial definir qual o objetivo da sua viagem, como:

  • Aprender um novo idioma;
  • Se especializar em uma nova área;
  • Melhorar o currículo com uma experiência internacional;
  • Entre outros.

Entender a motivação é necessário para definir o melhor destino, a duração do curso, entre outros. Afinal, você pode fazer um curso de inglês tanto nos Estados Unidos quanto na Inglaterra. 

Porém, cada país tem suas próprias exigências, como em relação ao visto, o que pode tornar a experiência ainda mais cara.

Tempo de resgate através de sorteio ou lance

A duração do grupo de consórcio é outro fator importante na hora de planejar um intercâmbio com consórcio.

O cotista pode ser contemplado com uma carta de crédito através de sorteio ou apresentação de um lance. Portanto, se ele não tiver uma quantia reservada para antecipar suas parcelas, terá que contar com a sorte.

Dessa forma, o mais indicado é marcar a viagem para iniciar após a finalização do grupo.

Atenção aos documentos no intercâmbio com consórcio

O documento mais importante para se estudar fora é o Passaporte, sem ele, os brasileiros só podem viajar para os países que fazem parte do Mercosul, como Argentina e Chile. Ele é solicitado no site da Polícia Federal e custa R$257,25.

Além dele, na hora de fazer um intercâmbio, pode ser necessário ainda:

  • Visto de estudante ou de turista;
  • Seguro Viagem;
  • Certificado Internacional de Vacinação, em viagens para a Europa, por exemplo;
  • Exames médicos, como acontece na Nova Zelândia e Austrália, por exemplo;
  • Entre outros.

Solicitação e renovação de visto

Dependendo do tempo de duração do curso, pode ser necessário ter um visto de estudante. 

Na Europa, o documento só é exigido para cursos acima de 12 semanas. Já nos Estados Unidos, é possível estudar com visto de turista por até 6 meses. Contudo, ele deve ser solicitado previamente. Dessa forma, verifique previamente quais são as regras do país de destino. 

Além disso, se o visto vencer em até 6 meses após a data de partida, pode ser necessário renová-lo.

 

Vale a pena investir no intercâmbio com consórcio?

O consórcio tem se tornado uma ótima maneira para realizar o sonho de estudar no exterior. Afinal, não tem taxas de juros e é bastante flexível.

Com ele é possível pagar cursos de até R$30 mil, parcelados em até 40 meses. Assim, durante o período de duração do grupo, o estudante pode se planejar melhor, inclusive para solicitar os documentos necessários.

Portanto, se você tem vontade de fazer um curso em outro país, entre em contato com o Grupo Capital e conheça os melhores planos para você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *